Deveres com respeito à natureza enquanto deveres indiretos para os seres humanos em Kant

Revista Opinião Filosófica

Endereço:
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 5 sala 604
PORTO ALEGRE / RS
Site: http://www.abavaresco.com.br/revista/index.php/index/index
Telefone: (51) 3320-3554
ISSN: 21781176
Editor Chefe: Agemir Bavaresco
Início Publicação: 30/06/2010
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Filosofia

Deveres com respeito à natureza enquanto deveres indiretos para os seres humanos em Kant

Ano: 2012 | Volume: 3 | Número: 1
Autores: Rejane Schaefer Kalsing
Autor Correspondente: R. S. Kalsing | rejane.kalsing@yahoo.com.br

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Uma das muitas críticas que se faz à moral kantiana é o fato de se referir e se destinar exclusivamente aos seres humanos e não à natureza como um todo, o fato de ter excluído os demais seres do âmbito das relações morais, ou por ser uma moral antropocêntrica. Disso poderia se depreender como consequência que os seres humanos poderiam ser eximidos da responsabilidade por suas ações em relação à natureza e ao universo. Porém, no século XVIII, a época de Kant, a questão ambiental não era uma preocupação e nem um problema filosófico propriamente, diferentemente dos dias atuais nos quais há risco iminente de destruição do planeta, em decorrência da ação humana. Em vista disso, nossas ações em relação à natureza têm de ser problematizadas na Filosofia Moral. Como então tentar conciliar a moral antropocêntrica kantiana e a necessidade atual de incluir a natureza como um modo em nosso âmbito das relações morais? Terá ele algo a dizer a esse respeito? É o intento deste texto esboçar uma possível conexão entre a Filosofia Moral Kantiana e o meio ambiente. Para tanto, analisar-se-á algumas passagens em que Kant se refere aos seres irracionais e à natureza em geral, ou aos deveres para com a natureza e deveres com respeito à natureza, por suas palavras, na obra Doutrina da virtude.

Resumo Inglês:

One of the many criticisms that is made to the Kantian moral is that it refers and destines exclusively to human beings and not to nature as a whole, the fact of excluding other creatures from the scope of moral relations, or by being an anthropocentric moral. It could be deduced as a consequence that humans could be relieved of the responsibility for their actions in relation to nature and the universe. However, in the Eighteenth Century, period of Kant, the environmental issue was not a concern and not a philosophical problem itself, unlike nowadays, with imminent risk of the destruction of the planet because of human action. As a result, human actions toward nature have to be problematized in Moral Philosophy. Thus, how to conciliate anthropocentric Kantian morality and the actual need of including nature as way in the sphere of moral relations? Would he have something to say about that? It is the aim of this article to outline a possible connection between the Kantian Moral Philosophy and the environment. For that, it will be analyzed a few passages in which Kant refers to irrational beings and nature in general, or the duties to nature and duties regarding nature, by his words, in his work piece Doctrine of Virtue.