Formação de uma cidade afro-atlântica: Luanda no século XVII

Revista TEL Tempo Espaço Linguagem

Endereço:
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE Setor de Ciências Humanas Letras e Artes Programa de Pós-graduação Stricto Sensu Mestrado em História Campus de Irati – PR PR 153 – Km 07 – Riozinho
Irati / PR
84500-000
Site: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/tel
Telefone: (42)3421-3129
ISSN: 2177-6644
Editor Chefe: Oseias de Oliveira
Início Publicação: 31/12/2009
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: História

Formação de uma cidade afro-atlântica: Luanda no século XVII

Ano: 2014 | Volume: 5 | Número: 3
Autores: Arlindo Manuel Caldeira
Autor Correspondente: CALDEIRA, A. M. | arlindomc81@gmail.com

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Este artigo propõe-se estudar a realidade social de Luanda (Angola) no século XVII, caracterizando os principais grupos em confronto, mas dando maior ênfase ao universo dos escravizados africanos, o grupo largamente maioritário. Analisa,
em seguida, sumariamente, as formas de adaptação recíproca entre vastos setores das populações africana e europeia, um processo de crioulização que foi também o da própria cidade.

Resumo Inglês:

This article aims to study the social reality of Luanda (Angola) during the 17th century. While it will seek to profile the main groups in question it focuses especially on the universe of African slaves, the largest social group by far. Simultaneously, it also aims to assess how processes of transfers took place in several areas, generating forms of reciprocal adaptation between vast sectors of the African and European population, in a process of miscegenation which was the same of the city itself.
Keywords: Luanda (Angola), 17th century, slaves, cultural interaction, miscegenation

Resumo Espanhol:

En el presente artículo se discute la realidad social de Luanda (Angola) en el siglo XVII, destacando los principales grupos opositores. Hacemos hincapié en el universo de los esclavos africanos, grupo ampliamente mayoritario. A continuación, un breve análisis de las formas de adaptación mutua entre amplios sectores de población tanto de África y como de Europa, un proceso de criollización que se produjo, también, como un desarrollo de la propia ciudad.
Palabras clave: Luanda, siglo XVII, esclavo, interacción cultural, criollización.