OS USOS DE SEU E DELE NA FALA DE UNIVERSITÁRIOS SERGIPANOS

Enlaces

Endereço:
Avenida Araújo Pinho - 39 - Canela
Salvador / BA
40110-150
Site: https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/enlaces
Telefone: (71) 3221-0330
ISSN: 2675-9810
Editor Chefe: Valter Dias
Início Publicação: 31/12/2020
Periodicidade: Anual
Área de Estudo: Linguística, Letras e Artes, Área de Estudo: Letras, Área de Estudo: Linguística

OS USOS DE SEU E DELE NA FALA DE UNIVERSITÁRIOS SERGIPANOS

Ano: 2021 | Volume: 2 | Número: Não se aplica
Autores: Viviane Novais, Manoel Siqueira, Fernanda Rodrigues
Autor Correspondente: Viviane Novais | [email protected]

Palavras-chave: Possessivos, Variação, Seu/dele, Função pronominal

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Nesta pesquisa, descrevemos os usos de seu e dele referentes de 3ª pessoa no português falado por universitários do estado de Sergipe. Com base em McKay e Fulkerson (1979), consideramos que os pronomes seu e dele, além de atuarem como substitutos, assumem função de determinação de seus antecedentes. A partir do método descritivo/inferencial, e com apoio da Sociolinguística Variacionista, fizemos a quantificação e análise de 34 entrevistas sociolinguísticas – retiradas do banco de dados Falares Sergipanos (FREITAG, 2013) – feitas com falantes universitários das cidades sergipanas de Aracaju, Itabaiana e São Cristóvão. Obtivemos um total de 392 realizações do fenômeno, sendo 50% (197/392) para a forma dele. Notamos que há produtividade dos possessivos como dominantes, embora com baixa frequência (6% 24/392), predominando a função substituta. As demais variáveis independentes apontam que os possessivos de 3P ocorrem em contextos específicos de uso.



Resumo Inglês:

In this paper, we describe the uses of seu and dele, referents of the 3rd person, in Portuguese spoken by university students from the state of Sergipe. Based on McKay and Fulkerson (1979), we consider that the pronouns seu and dele, besides acting as substitutes, assume the function of determining their predecessors. Departing from the descriptive/inferential method, and with the support of Variationist Sociolinguistics, we performed the quantification and analysis of 34 sociolinguistic interviews – taken from the Falares Sergipanos database (FREITAG, 2013) – made with university speakers from the cities of Aracaju, Itabaiana and São Cristóvão. We obtained a total of 392 realizations of the phenomenon, 50% (197/392) for the variant dele. We note that there is productivity of the possessives as dominant, although with low rates (6% 24/392), the substitute function predominates. The other independent variables indicate that 3P possessives are found in specific contexts of use.