Índice de vegetação como subsídio na identificação de áreas com potenciais a desertificação

Journal of Environmental Analysis and Progress

Endereço:
Rua Manoel de Medeiros - SN - Dois Irmãos
Recife / PE
52171-900
Site: http://www.jeap.ufrpe.br
Telefone: (81) 9974-0932
ISSN: 2525-815X
Editor Chefe: Rejane Magalhães de Mendonça Pimentel
Início Publicação: 30/09/2016
Periodicidade: Trimestral
Área de Estudo: Multidisciplinar

Índice de vegetação como subsídio na identificação de áreas com potenciais a desertificação

Ano: 2017 | Volume: 2 | Número: 4
Autores: J. N. B. da Silva, J. L. B. da Silva, A. M. dos Santos, A. C. da Silva, J. D. Galvíncio
Autor Correspondente: J. D. Galvíncio | [email protected]

Palavras-chave: caatinga, degradação, sensoriamento remoto

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A desertificação é um problema ambiental que afeta centenas de hectares de terras localizadas nas regiões secas de várias partes do planeta. Para identificação das áreas em processo de desertificação vários mecanismos vêm sendo empregados, entre eles o sensoriamento remoto. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é identificar as áreas com potenciais à desertificação nos municípios de Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande, Pernambuco, através do SAVI (Soil Ajusted Vegetation Index). Para isto, foram empregadas duas imagens obtidas pelos satélites Landsat 5 e Landsat 8 referente aos anos de 2005 e 2015, respectivamente. Os resultados indicam que os dois municípios apresentam áreas com diferentes potenciais à desertificação, principalmente, as correlacionadas à caatinga esparsa e as regiões com solo exposto. Áreas que oscilaram entre queda e aumento de espaços ocupados entre os dois anos devido à sensibilidade do índice aos eventos pluviométricos que modificaram a estrutura da cobertura vegetal. Neste contexto, o SAVI mostrou-se eficiente na identificação das áreas com diferentes potencias a desertificação na área de estudo, porém, deve ser empregado com auxílio de outro método de mapeamento, visto que, os reflexos das chuvas na vegetação podem comprometer o processo de identificação das áreas de risco.