Caracterização morfoagronômica e físico-química de pimentas em Roraima

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Caracterização morfoagronômica e físico-química de pimentas em Roraima

Ano: 2015 | Volume: 9 | Número: 3
Autores: K. M. Borges, L. B. O. Vilarinho, A. A. Melo Filho , B. S. Morais, R. N. S. Rodrigues.
Autor Correspondente: Karla Morais Borges | [email protected]

Palavras-chave: Acidez total titulável. Ácidos graxos. Capsicum spp. Propriedades medicinais.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O Brasil é um dos maiores produtores e consumidores de pimentas do mundo, com destaque para a região Amazônica, cujo consumo de pimentas faz parte do hábito alimentar. Nesse sentido, objetivou-se com este trabalho realizar a caracterização morfoagronômica e físico-química de seis acessos de pimentas largamente comercializadas em feiras livres do estado de Roraima. Dessa forma, os frutos foram avaliados quanto ao comprimento, diâmetro, cor, teor de sólidos solúveis totais (SST), pH, acidez total titulável (ATT), bem como caracterização de ácidos graxos majoritários. Os resultados demonstraram que tanto as características morfoagronômicas quanto as físico-químicas apresentaram diferenças significativas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Para as análises físico-químicas, observou-se que os frutos do acesso CA apresentaram maior razão SST/ATT, indicando que esse acesso possui maior potencial para o consumo in natura. No teor de sólidos solúveis totais, os acessos diferiram estatisticamente, entretanto, os frutos do acesso OP apresentaram maior desempenho, sendo, portanto, indicados para processos de industrialização. Por fim, esse trabalho confirma a presença de substâncias bioativas nos frutos das pimentas que podem auxiliar na queima calórica e, consequentemente, no controle de massa corporal. No entanto, mais dados seriam necessários para a quantificação dessas substâncias.