Composição florística da sub-bacia hidrográfica do rio Figueiredo - Ceará - Brasil

Revista de Geociências do Nordeste

Endereço:
Rua José Gregório - Penedo
Caicó / RN
59300000
Site: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/index
Telefone: (84) 9888-0962
ISSN: 2447-3359
Editor Chefe: Saulo Roberto de Oliveira Vital
Início Publicação: 30/06/2015
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Geociências, Área de Estudo: Geografia

Composição florística da sub-bacia hidrográfica do rio Figueiredo - Ceará - Brasil

Ano: 2018 | Volume: 4 | Número: Especial
Autores: L. M. Sousa, V. P. V. Oliveira, C. L. F. Bezerra
Autor Correspondente: L. M. Sousa | [email protected]

Palavras-chave: Bacia hidrográfica, degradação ambiental, Riqueza florística

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A degradação ambiental é um problema sério que acomete os recursos naturais, podendo estar relacionado com as atividades humanas pautadas em práticas inadequadas. O presente trabalho objetivou realizar uma listagem da composição florística da Sub-bacia hidrográfica do rio Figueiredo para perceber a degradação ambiental a partir da perda da biodiversidade. Os procedimentos metodológicos foram: após a delimitação da sub-bacia e dos seus sistemas ambientais realizou-se a listagem da composição florística com base em trabalhos de campo onde foram aplicadas fichas de campo com auxílio de um mateiro. Para cada sistema foi identificada uma parcela medido 30x30m onde realizou-se a listagem da composição florística. Para a identificação das espécies buscou-se identificar os nomes científicos e suas famílias através de sites especializados e trabalhos publicados (CEARÁ, 2006), (BRASIL, 2012). Os resultados mostraram que a Sub-bacia apresenta composição florística baixa. A maior riqueza florística foi registrada no Maciço do Pereiro e a menor na Planície Fluvial. Das 64 espécies encontradas na área 32 apresentam baixa frequência e apenas 5 alta frequência. Considerando todos os sistemas, verifica-se que o índice de semelhança entre si é baixo, com algumas exceções. Umas das justificativas para tal fato se refere a relação uso/capacidade suporte do ambiente.