Contribuição de um segundo diâmetro na estimação de volume individual de plantios jovens de Tectona grandis L.f.

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Contribuição de um segundo diâmetro na estimação de volume individual de plantios jovens de Tectona grandis L.f.

Ano: 2015 | Volume: 9 | Número: 4
Autores: M. N. I. Sanquetta, C. R. Sanquetta, A. P. D. Corte, A. L. Rodrigues, G. C. B. Maas
Autor Correspondente: Mateus Niroh Inoue Sanquetta | [email protected]

Palavras-chave: Correlação. Estimativa. Modelagem. Regressão. Teca.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Estimar o volume individual das árvores com precisão e sem viés é um pré-requisito para um inventário florestal de qualidade. Para tanto, os métodos mais comuns se baseiam na aplicação do fator de forma médio ou em equações de simples ou dupla entrada. O presente estudo propõe modelos com dois diâmetros como variáveis independentes para estimar o volume comercial de Tectona grandis, visando melhorar sua precisão e reduzir o viés. Trinta e cinco árvores de plantios comerciais de 4 a 5 anos de idade, localizados no município de Redenção, Pará, foram cubadas rigorosamente pelo método de Smalian. Diâmetros a diferentes alturas foram correlacionados com o volume real. Três novos modelos volumétricos baseados em dois diâmetros foram propostos, sem a adição da variável altura da árvore. Compararam-se esses modelos com outros tradicionalmente empregados em inventários florestais. O modelo de melhor ajuste usa o diâmetro à altura do peito (dap) e o diâmetro a 4,0 m de altura (d4,0) como variáveis independentes. Dificuldades operacionais do uso de d4,0 foram discutidas. Os modelos que utilizam o dap e o diâmetro a 2,0 m (d2,0) foram considerados os mais satisfatórios, pois são mais precisos e práticos que os clássicos, além de serem operacionalmente mais factíveis que o modelo com d4,0. Portanto, existem outros diâmetros que são mais correlacionados com o volume do que o dap, e que a introdução de um segundo diâmetro melhora as estimativas de volume, mesmo sem a inclusão da variável altura.