Da análise automática do discurso ao discurso do sujeito do desejo: reflexões psicanalíticas sobre a teoria do discurso de Michel Pêcheux

Línguas e Instrumentos Linguísticos

Endereço:
Rua Sérgio Buarque de Holanda - 421 - Cidade Universitária
Campinas / SP
13083-859
Site: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil
Telefone: (19) 3521-6729
ISSN: 2674-7375
Editor Chefe: Greciely Cristina da Costa
Início Publicação: 03/12/2020
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Linguística, Letras e Artes, Área de Estudo: Linguística

Da análise automática do discurso ao discurso do sujeito do desejo: reflexões psicanalíticas sobre a teoria do discurso de Michel Pêcheux

Ano: 2019 | Volume: 0 | Número: 44
Autores: Souza, Sérgio Augusto Freire de
Autor Correspondente: Souza, Sérgio Augusto Freire de | [email protected]

Palavras-chave: AAD-69, Psicanalise, Resistencia

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A análise de Discurso de Michel Pêcheux tem seu momento inaugural com o livro Analyse automatique du discours (AAD-69). Desde seu início, a noção de sujeito se faz presente como organizadora dos processos epistemológicos. Mas não se trata de qualquer noção de sujeito. Convoca-se uma noção de sujeito contingente, interpelado pela ideologia e barrado pelo inconsciente. Este artigo se propõe a acompanhar o surgimento dessa noção e cartografar seus aggiornamentos em relação à teoria. De um lugar descritivo do sujeito do inconsciente, propomos que o barramento ideológico produz resistência pulsional que, em última instância, provoca e permite a desidentificação ideológica. O artigo se divide em três momentos. No primeiro, retomamos a constituição teórica da AD, revisitando brevemente suas fases e seus construtos para compreender como a Psicanálise vai aparecendo no deslocamento da teoria de Pêcheux. Em um segundo tempo, trazemos para a discussão o texto Só há causa daquilo que falha (PÊCHEUX, 1978), em que Pêcheux retifica posições anteriores e enfatiza o valor teórico, político e histórico da falha, evidenciando, com isso, o liame com a presença da Psicanálise em relação ao sujeito. Por fim, concluímos apontando para uma ampliação da análise que vá além das recorrências e que vise também à interpretação das políticas de resistência do sujeito, a partir do aporte da Psicanálise, para que se possa compreender o discurso na sua contradição constitutiva do mesmo e do diferente, em seu duplo plano, o da ideologia e o do inconsciente.



Resumo Inglês:

Discourse Analysis has its inaugural moment when Analyse automatique du discours (AAD-69) came out i 1969. From its inception, the notion of subject has been present as one of the many organizers of the epistemological processes of the theory. But the notion of subject is not any notion. A notion of contingent subject is called upon. The subject in the theory is summoned by ideology and barred by the unconscious. This article aims to follow the emergence of this notion and to map its pathway in relation to the theory development. From a descriptive place for the unconscious subject, we propose a move to a dynamic feature for this subject. At the same time ideology tries to define meanings within its scope, it also produces instinctual resistance that ultimately provokes and permits ideological disidentification. The article is divided into three parts. In the first part, we return to the theoretical constitution of Discourse Analysis, briefly revisiting its phases and constructs to understand how psychoanalysis appears in the aggiornamento of Pêcheux's theory. In a second moment, we bring to the discussion the text “There is only cause for what fails” (PÊCHEUX, 1978), in which Pêcheux rectifies previous positions and emphasizes the theoretical, political and historical value of failure, thus evidencing the link with presence of psychoanalysis in relation to the subject. Finally, we conclude by pointing to a broadening of the analysis that goes beyond recurrences and aims at the interpretation of the subject's resistance policies, based on psychoanalysis. By so thinking, discourse can be understood in its constitutive contradiction of the same and the different producing meaning and subjectivity in its double aspect, that of ideology and the unconscious.