Desenvolvimento inicial de cultivares de abóboras e morangas submetidas ao estresse salino

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Desenvolvimento inicial de cultivares de abóboras e morangas submetidas ao estresse salino

Ano: 2014 | Volume: 8 | Número: 2
Autores: F. de A. de Oliveira, D. C. Martins, M. K. T. de Oliveira, M. L. de Souza Neta, M. da S de S. Ribeiro, R. T. da Silva
Autor Correspondente: F. de A. de Oliveira | [email protected]

Palavras-chave: cucurbitáceas, irrigação, estresse salino = cucurbit, irrigation, saline stress.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O uso de água salina na irrigação é um desafio para os pesquisadores e produtores rurais. O êxito da utilização destas águas é dependente da tolerância das plantas cultivadas à salinidade. O experimento foi desenvolvido em casa de vegetação na UFERSA, Mossoró, RN, com o objetivo de avaliar o efeito da salinidade da água de irrigação sobre o desenvolvimento inicial e as características relacionados à biometria foliar de cultivares de abóboras e morangas. O experimento foi instalado no delineamento inteiramente casualizado, com três repetições, em esquema fatorial 4 x 2. Os tratamentos resultaram da combinação de quatro genótipos (Abóbora Xingó jacarezinho “casca grossa”, Abóbora mini Paulista Isabela, Moranga Crioula pataka e Moranga Coroa) com dois níveis de salinidade da água de irrigação (0,5 e 3,5 dS m-1). As plantas foram coletadas aos 40 dias após a semeadura. Foram avaliadas as seguintes variáveis: comprimento do ramo principal, diâmetro do colo, número de folhas, área foliar, massa seca de folhas, massa seca de haste, massa seca da parte aérea, área foliar específica e razão de área foliar. O desenvolvimento inicial e a biometria foliar em plantas de abóboras e morangas são afetadas pelo aumento da salinidade da água de irrigação, sendo a resposta dependente da cultivar. Os genótipos Moranga Crioula pataka e Moranga Coroa apresentam maior tolerância à salinidade da água de irrigação.



Resumo Inglês:

Irrigation with saline water is a challenge both for scientists and farmers. The success of utilizing such water depends on crop tolerance to salinity. A trial was carried out in a greenhouse at UFERSA, Mossoró, RN, Brazil, aiming at evaluating the effects of irrigation water salinity on initial growth and characteristics related to leaf anatomy in cultivars of pumpkin (Cucurbita moschataD.) and moranga (Cucurbita maxima D.). The experiment was arranged in a completely randomized design with a 4 x 2 factorial scheme and three replications. Treatments resulted from the combinations of four
genotypes (Pumpkin Xingó jacarezinho “casca grossa”, Pumpkin mini Paulista Isabela, Moranga Crioula Pataka and Moranga Coroa) with two irrigation water salinity levels (0.5 and 3.5 dS m-1). Plants were collected 40 days after seeding. The following variables were analyzed: main stem length, root collar diameter, leaf number, leaf area, leaf dry mass of, stem dry mass, shoot dry mass, specific leaf area and leaf area ratio. Initial growth and leaf biometry in pumpkin and moranga plants were influenced
by irrigation water salinity, which response was cultivar dependent. Genotypes Moranga Crioula pataka and Moranga Coroa showed larger tolerance to irrigation water salinity.