Detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Inhaúma – PE/AL, por meio de técnicas de Geoprocessamento e dados de Sensoriamento Remoto

Revista de Geociências do Nordeste

Endereço:
Rua José Gregório - Penedo
Caicó / RN
59300000
Site: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/index
Telefone: (84) 9888-0962
ISSN: 2447-3359
Editor Chefe: Saulo Roberto de Oliveira Vital
Início Publicação: 30/06/2015
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Geociências, Área de Estudo: Geografia

Detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Inhaúma – PE/AL, por meio de técnicas de Geoprocessamento e dados de Sensoriamento Remoto

Ano: 2016 | Volume: 2 | Número: Especial
Autores: C. E. S. Lima, D. D. M. Gomes, M. C. Goldfarb
Autor Correspondente: C. E. S. Lima | [email protected]

Palavras-chave: Bacia hidrográfica do Inhaúma, cobertura vegetal, geotecnologias

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O presente trabalho teve como objetivo apresentar um relato das transformações na cobertura de vegetação da Bacia Hidrográfica do Inhaúma – PE/AL, analisando de forma multitemporal suas transformações nos períodos de 1992 a 2011. Para esta análise robusta, foi necessário o uso de dados espectrais obtidos pelo sensor remoto TM-Landsat 5, que, conjuntamente de um ambiente computacional ArcGis 10.4.1, através do software foram realizados os cálculos (NDVI - Normalized Difference Vegetation Index). Com os dados gerados, foi possível desenvolver uma classificação supervisionada da vegetação, para esta classificação foram utilizadas quatro classes: vegetação densa, vegetação esparsa, vegetação rasteira e ausência de vegetação. Após a classificação, foram realizados mapas temáticos, que forneceu uma análise comparativa, entre 1992 e 2011, tendo assim uma melhor perspectiva das mudanças durante 19 anos. Com a análise, pode-se provar um decréscimo acentuado na vegetação densa, de 2,19 % para 1,81%, com a classe esparsa caiu de 26,74% para 24,02%, na classe rasteira 67,43% para 55,9%, na ausência de vegetação foi de 3,74% para 18,36%. Com a análise foi capaz de detectar a substituição da classe: vegetação densa para vegetação rasteira e ausência de vegetação.