Emergência e desenvolvimento inicial de plântulas de cupuaçu cultivadas sob diferentes substratos e condições de sombreamento

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Emergência e desenvolvimento inicial de plântulas de cupuaçu cultivadas sob diferentes substratos e condições de sombreamento

Ano: 2015 | Volume: 9 | Número: 4
Autores: E. A. Moura, P. C. Chagas , M. L. S. Moura, O. M. Souza, E. A. Chagas.
Autor Correspondente: Edvan Alves Chagas | [email protected]

Palavras-chave: Frutíferas Nativas. Germinação. Propagação

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O cupuaçu pode ser propagado por via sexuada ou assexuada, sendo a via seminífera o processo mais utilizado. Dessa forma, ambientes apropriados para a produção de mudas propiciam melhores condições para o crescimento inicial em campo, colaborando para o aumento da homogeneidade, sanidade e redução da mortalidade de plantas no momento do plantio. Assim, fatores como luz e tipo de substrato são importantes para a germinação de sementes e emergência inicial de plantas. Nesse contexto, objetivou-se com o presente trabalho avaliar o efeito de diferentes substratos, bem como a influência do sombreamento na emergência e no crescimento inicial de plântulas de cupuaçu. O experimento foi conduzido na Embrapa Roraima, utilizando-se delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 7, constituídos de diferentes ambientes (canteiro sem cobertura, canteiro com cobertura tipo sombrite de 50% de luminosidade e canteiro com cobertura plástica transparente de 100 micras), combinados com diferentes substratos (areia, solo, vivatto®, serragem, areia+solo, areia+solo+vivatto® e areia+solo+serragem). Após a semeadura, avaliou-se a porcentagem de emergência e o índice de velocidade de emergência no intervalo de cinco dias, quando, ao final dos 50 dias, avaliou-se o comprimento da parte aérea, o número de folhas, a área foliar, o comprimento do sistema radicular, o diâmetro do caule, a massa seca da parte aérea e do sistema radicular. Observou-se que maior porcentagem de emergência, IVE e desenvolvimento inicial de plântulas de cupuaçuzeiro são obtidos ao se utilizar substrato constituído por areia+solo+serragem. O ambiente com sombreamento de 50% de luminosidade proporciona maior porcentagem de emergência, IVE, diâmetro do colo e massa seca do sistema radicular.