Habermas e Honneth: leitores de Mead

Revista Interdisciplinar de Direito

Endereço:
Rua Sargento Vitor Hugo, 161 - Fátima
Valença / RJ
27.600-000
Site: http://revistas.faa.edu.br/index.php/FDV
Telefone: (24) 2453-0700
ISSN: 15188167
Editor Chefe: Rogéro Tabet de Almeida
Início Publicação: 30/04/1998
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Ciência política, Área de Estudo: Direito, Área de Estudo: Multidisciplinar

Habermas e Honneth: leitores de Mead

Ano: 2020 | Volume: 18 | Número: 2
Autores: Maria Eugenia Bunchaft
Autor Correspondente: Maria Eugenia Bunchaft | [email protected]

Palavras-chave: identidade, reconhecimento, Mead, Habermas, Honneth, dentity, recognition, Mead, Habermas;Honneth

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Mead foi um filósofo pragmatista americano que desenvolveu uma linha de pensamento denominada como interacionismo simbólico. Para o psicólogo social, somente pode existir um sentido de “eu” se houver um senso correspondente de um “nós”. A teoria de Mead é fundamental para Habermas e para Honneth, pois não recorre ao individualismo metodológico, explicando os fenômenos sociais e o comportamento social em uma perspectiva intersubjetiva. Defende-se que a preocupação fundamental de Habermas, em sua releitura da psicologia social de Mead, se concentra em que o desenvolvimento do selfalcance um nível de pós-convencionalidade. A preocupação de Honneth, ao resgatar Mead, vincula-se aos contextos de vulnerabilidade moral, ou seja, à possibilidade de evitar os danosque o selfpossa sofrer na formação da identidade pessoal. Sustenta-se, finalmente, que uma releitura da psicologia social de Mead com base no paradigma normativo da autorrealização não possui recursos teóricos com potencialidade para avaliar as injustiças contemporâneas e atender aos desafios propostos pelos novos movimentos sociais, porquanto a ampliação das dimensões de reconhecimento não pode basear-se em uma apologia da psicologia moral do sofrimento. Busca-se, portanto, apresentar um diálogo entre Habermas e Honneth sobre a psicologia social de Mead.



Resumo Inglês:

Mead was an American pragmatist philosopher who developed a line of thought called symbolic interactionism.To the social psychologist there can only be a sense of the self if there is a corresponding sense of "us." Mead 's theory is central to Habermas (2002 , 2012) and Honneth, it does not resort to methodological individualism , explaining social phenomena and social behavior in an intersubjective perspective. It is argued that the fundamental concern of Habermas, in rereading the social psychology of Mead, focuses on the development of the self to reach a level of post-conventionality. Concern Honneth, to redeem Mead, binds to the contexts of moral vulnerability, ie the possibility to avoid the damage that the self may suffer in the formation of personal identity. It is argued, finally, that a reinterpretation of the social psychology of Mead based on the normative paradigm of self-realization has no theoretical resources with the potential to assess contemporary injustices and meet the challenges posedby the new social movements, since the expansion of the dimensions of recognition does not may rely on a defense of moral psychology of suffering. Search is therefore present a dialogue between Habermas and Honneth on the social psychology of Mead.