A imagem do corpo e opção pelos fracos (1 Cor 12,14-27): embrião da Teologia da Libertação

Atualidade Teológica

Endereço:
Rua Marquês de São Vicente, 225 - Departamento de Teologia - PUC-Rio - Gávea
Rio de Janeiro / RJ
22451-900
Site: http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/rev_ateo.php?strSecao=INDEX
Telefone: (21) 3527-1974
ISSN: 16763742
Editor Chefe: Abimar Oliveira de Moraes
Início Publicação: 30/11/1997
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Teologia

A imagem do corpo e opção pelos fracos (1 Cor 12,14-27): embrião da Teologia da Libertação

Ano: 2017 | Volume: 21 | Número: 55
Autores: Joel Antônio Ferreira
Autor Correspondente: J. A. Ferreira | [email protected]

Palavras-chave: Fortes, Fracos, Corpo, Comunidade.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

“Os membros do corpo que parecem mais fracos são os mais necessários,
e aqueles que parecem menos dignos de honra do corpo são os que cercamos
de maior honra, e nossos membros que são menos decentes, nós os tratamos
com mais decência” (1 Cor 12,22-23). Esta pequena citação retrata a espinha
dorsal que sustentou todo o texto da Primeira Epístola aos Coríntios: a opção
preferencial pelos “mais fracos”. Nessa metáfora do corpo humano, Paulo estava
falando da comunidade cristã de Corinto. Ao defi nir os mais fracos como
“menos dignos de honra”, como “menos decentes”, o Apóstolo estava, possivelmente,
olhando os pobres e os escravos de Corinto e de todo o Império
Romano. Diante da sociedade profundamente injusta, o Apóstolo mostrou a
sua posição: Os mais fracos são os mais necessários. Os menos dignos de
honra, nós os cercamos de mais honra. Os menos decentes, nós os tratamos
com mais decência. A opção existencial e pastoral de Paulo pelos “fracos”, os
que estavam abaixo da pirâmide imperial, era claríssima. Aqui temos um dos
embriões da Teologia da Libertação.



Resumo Inglês:

“The members of the body that seem to be weaker are most needed, and
those who seem less worthy of honor are the body that surround the greater
honor, and our members who are less decent, we treat them with more decency”
(1 Cor 12.22-23). This little quote portrays the backbone that supported the
entire text of the First Epistle to the Corinthians, the preferential option for
the “weaker”. In this metaphor of the human body, Paul was speaking of the
Christian community of Corinth. When defi ning the weakest as “less worthy
of honor” as “less decent”, was possibly looking the poor and the slaves of
Corinth and the entire Roman Empire. Given the deeply unjust society, the
Apostle showed his position: The weakest are the most needed. The less
worthy of honor, we surrounded them more honor. The least decent, we treat
them with more decency. The existential and pastoral option for “weak”,
those below the imperial pyramid, was crystal clear. Here we have one of the
embryos of liberation theology.