A MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA DE 1816 E A DIPLOMACIA DE JEAN-BAPTISTE MALER

Revista Veredas da História

Endereço:
Rua Osmar Macedo, 151, Apt 3, Praia do Flamengo, Salvador, Bahia
Salvador / BA
41603275
Site: http://www.seer.veredasdahistoria.com.br
Telefone: 7130220585
ISSN: 1982-4238
Editor Chefe: Marcelo Pereira Lima
Início Publicação: 31/12/2007
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: História

A MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA DE 1816 E A DIPLOMACIA DE JEAN-BAPTISTE MALER

Ano: 2016 | Volume: 9 | Número: 2
Autores: Lucas de Araújo Barbosa Nunes
Autor Correspondente: Marcelo Pereira Lima | [email protected]

Palavras-chave: Artistas Expatriados. Diplomacia. Brasil – História – d. João VI (1808- 1821). Missão Artística Francesa de 1816.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Nos Archives Diplomatique du Quai d'Orsay encontram-se várias correspondências diplomáticas entre Jean-Baptiste Maler, cônsul-geral francês no Brasil, e os agentes da diplomacia francesa. Estes documentos mostraram que suas atividades como cônsul foram marcadas por um profundo sentimento contrário a tudo o que parecesse ameaçar a monarquia restabelecida na França. Para ele, os artistas reunidos por Lebreton e trazidos para o Brasil eram um perigo constante à estabilidade das relações entre as duas coroas, uma vez que os consideravam expatriados por motivos políticos. O presente artigo tem como objetivo elucidar não só o início da retomada do contato diplomático entre França e Brasil, a partir de 1815, mas também quais foram as estratégias que a diplomacia francesa tomou diante de uma corte europeia estacionada no Brasil. Isto é de fundamental importância pois esclarecem as decisões que Maler adotou contra a permanência dos artistas da “missão francesa” no Brasil.



Resumo Inglês:

In the Archives Diplomatique du Quai d'Orsay are several diplomatic
correspondence between Jean-Baptiste Maler, french consul general in Brazil, and the agents
of French diplomacy. These documents showed that his activities as consul were marked by a
deep sense contrary to all that seemed to threaten the monarchy restored in France. For him,
the assembled artists Lebreton and brought to Brazil were a constant danger to the stability of
relations between the two crowns, since the considered expatriates for political reasons. This
article aims to elucidate not only the beginning of the resumption of diplomatic contact
between France and Brazil, from 1815, but also what were the strategies that French
diplomacy has taken on a European cut stationed in Brazil. This is crucial for clarifying the
decisions adopted Maler against the permanence of artists "French mission" in Brazil.