Níveis de sombreamento no crescimento de mudas de castanheira do Brasil

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Níveis de sombreamento no crescimento de mudas de castanheira do Brasil

Ano: 2015 | Volume: 9 | Número: 4
Autores: Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 *, Tennyson Costa Evangelista 2 , Antonio Antero Ribeiro de Albuquerque Neto
Autor Correspondente: Teresinha Costa Silveira de Albuquerque | [email protected]

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

A eficiência no crescimento inicial de árvores nativas pode ser relacionada à habilidade de adaptação de plântulas às condições luminosas do ambiente. O objetivo deste trabalho foi analisar o crescimento de mudas de castanheira do brasil, na fase de viveiro, sob diferentes níveis de sombreamento artificial. Como tratamentos testaram-se cinco ambientes: T75 = 75% de sombra; T50 = 50% de sombra; T25 = 25% de sombra; TCza = tela cinza; e TPsol = pleno sol. As avaliações de crescimento foram realizadas após 185 dias de permanência das plantas nos telados, medindo-se a altura, o diâmetro basal do caule, bem como o número, o comprimento e a largura das folhas. Avaliou-se também o teor de clorofila e o cálculo dos teores de clorofila a, b, total e carotenoides. Os resultados foram submetidos à análise de variância e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey (p < 0,05). Conclui-se que os ambientes com sombreamento médio de 25 e 50% são mais indicados para o desenvolvimento de mudas de castanheiras-do-brasil, permitindo crescimento mais vigoroso das plantas. As plantas em ambientes mais sombreados e a pleno sol apresentam maiores teores de clorofila e carotenoides como estratégia adaptativa.