Ocorrências de desastres naturais nos principais arranjos populacionais da Sub-região Leste do Nordeste brasileiro

Revista de Geociências do Nordeste

Endereço:
Rua José Gregório - Penedo
Caicó / RN
59300000
Site: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/index
Telefone: (84) 9888-0962
ISSN: 2447-3359
Editor Chefe: Saulo Roberto de Oliveira Vital
Início Publicação: 30/06/2015
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: Geociências, Área de Estudo: Geografia

Ocorrências de desastres naturais nos principais arranjos populacionais da Sub-região Leste do Nordeste brasileiro

Ano: 2018 | Volume: 4 | Número: Especial
Autores: G. B. Marques, T. S. Silva, M. O. Moura
Autor Correspondente: G. B. Marques | [email protected]

Palavras-chave: Desastres naturais, situação de emergência, estado de calamidade pública

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Esta pesquisa tem como objetivo analisar os desastres naturais de origem hidrometeorológica e geológica e os danos associados nos principais arranjos populacionais da sub-região Leste do Nordeste brasileiro no período de 2003 a 2016. A partir das informações adquiridas através do Ministério da Integração Nacional foi possível quantificar os reconhecimentos dos desastres quanto ao tipo e a intensidade (Situação de Emergência - SE e Estado de Calamidade Pública - ECP). Criou-se um banco de dados com as informações sobre os principais espaços urbanos afetados e, em seguida elaborou-se a representação espaço-temporal dos desastres naturais. Foram verificados 152 registros de desastres hidrometeorológicos e geológicos nos espaços urbanos, dos quais 95% foram classificados como Situação de Emergência e 5% como Estado de Calamidade Pública. O ano de 2011 destaca-se com o maior registro de desastres (28 registros). Por meio de consulta dos formulários disponíveis sobre os desastres (AVADAN E FIDE), constatou-se que 49 dos 152 registros ocorreram durante a estação chuvosa, isto é, 32% do total concentram-se nos meses de maior pluviometria da sub-região Leste. Os desastres registrados na região afetaram 124 mil pessoas e promoveram um prejuízo econômico próximo a 470 milhões de reais.