A onça-pintada e o gado branco

Anuário Antropológico

Endereço:
Universidade de Brasília, Campus Darcy Ribeiro, Departamento de Antropologia, Editores do Anuário Antropológico
Brasília / DF
70910-900
Site: https://journals.openedition.org/aa/
Telefone: (61) 3107-7299
ISSN: 1024302
Editor Chefe: Soraya Resende Fleischer
Início Publicação: 30/06/1976
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Antropologia

A onça-pintada e o gado branco

Ano: 2012 | Volume: Especial | Número: 2
Autores: Felipe Sussekind
Autor Correspondente: A. S. Lobo | [email protected]

Palavras-chave: Pantanal, onça, ecologia, ambientalismo, caça

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O presente artigo investiga os desdobramentos das atividades de um projeto científico desenvolvido em uma fazenda de gado no Pantanal do Mato Grosso do Sul, voltado para a conservação da onça-pintada. A principal atividade econômica da região é a criação de gado e,na tradição local, a onça tem sido vista
ora como uma ameaça, ora como uma peste a ser eliminada, ora como símbolo de coragem e status. No passado, era comum que as fazendas do Pantanal empregassem caçadores com cães treinados para perseguirem e eliminarem os animais que atacassem a criação. Nos dias de hoje, porém, a onça adquiriu novos papéis com o desenvolvimento do ambientalismo e a entrada em cena do turismo ecológico na região, quando os safáris fotográficos começaram a substituir as antigas caçadas. Nesse contexto,
antigos caçadores são contratados por pesquisadores e entidades ambientalistas para a captura e a colocação de coleiras de rádio nos felinos, com a finalidade de estudá-los.