Os pontos cegos da História: a produção e o direito ao esquecimento no Brasil – breves notas para uma discussão.

Opsis

Endereço:
AV. DR. LAMARTINE PINTO DE AVELAR 1120 Caixa Postal: 536
Catalão / GO
75704120
Site: http://www.revistas.ufg.br/index.php/opsis
Telefone: (64) 3441-5309
ISSN: 15193276
Editor Chefe: Teresinha Maria Duarte
Início Publicação: 30/04/2001
Periodicidade: Semestral
Área de Estudo: História

Os pontos cegos da História: a produção e o direito ao esquecimento no Brasil – breves notas para uma discussão.

Ano: 2014 | Volume: 14 | Número: 2
Autores: J. Bentivoglio
Autor Correspondente: J. Bentivoglio | [email protected]

Palavras-chave: Memória; História; direito ao esquecimento.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O presente artigo discute o lugar do esquecimento nos estudos histó-
ricos a partir da reflexão sobre algumas premissas de Paul Ricouer, Beatriz Sarlo
e Paolo Rossi, em especial. Em seguida, avalia como a capacidade de armazenamento
digital quase infinita poderá interferir nas relações entre memória e histó-
ria. Por fim trata da emergência do direito ao esquecimento no Brasil, ao discutir
como algumas transformações e decisões de ordem jurídica podem repercutir no
trabalho dos historiadores e na escrita da história.



Resumo Inglês:

This article discusses the place of oblivion in the historical studies,
reflecting at first about some assumptions of Paul Ricoeur, Beatriz Sarlo and
Paolo Rossi, in special. Then assesses how the nearly infinite digital storage capacity
may interfere in the relationship between Memory and History. Finally it
analyses the emergence of the right to oblivion in Brazil, to discuss how certain
changes and legal decisions can affect the work of historians and the writing of
history in present and future.



Resumo Espanhol:

En este artículo se analiza el lugar del olvido en los estudios histó-
ricos partindo de la reflexión sobre algunos supuestos de Paul Ricoeur, Beatriz
Sarlo y Paolo Rossi, en particular. Luego evalúa cómo el almacenamiento digital
casi infinita capacidad puede interferir en la relación entre la memoria y la
historia. Por último hace la analisis del surgimiento del derecho al olvido en el
Brasil, para discutir cómo algunos cambios y decisiones legales pueden tener un
impacto en el trabajo de los historiadores y en la escritura de la historia