As políticas públicas e o enfrentamento da obesidade no Brasil: uma revisão reflexiva

Revista de epidemiologia e controle de infecção

Endereço:
Hospital Santa Cruz Núcleo de Epidemiologia Hospitalar/Comissão de Controle de Infecção Rua Fernando Abott, 174 - Santa Cruz do Sul - RS - Brasil
/ RS
96810-072
Site: http://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia
Telefone: (51)3713-7484
ISSN: 22383360
Editor Chefe: Marcelo Carneiro
Início Publicação: 30/11/2011
Periodicidade: Trimestral
Área de Estudo: Medicina

As políticas públicas e o enfrentamento da obesidade no Brasil: uma revisão reflexiva

Ano: 2016 | Volume: 6 | Número: Suplemento
Autores: D. C. Rech, L. Borfe, A. Emmanouilidis, E. L. Garcia, S. B. F. Krug
Autor Correspondente: D. C. Rech | [email protected]

Palavras-chave: políticas públicas, obesidade, promoção da saúde

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Justificativa e Objetivos: Atualmente, a obesidade é considerada um importante problema de saúde pública, pois sua prevalência configura-se em níveis alarmantes. Os custos atribuídos aos gastos com a obesidade são muito elevados e, a longo prazo, podem tornar se empecilhos à sustentabilidade do tratamento dos indivíduos, tanto no âmbito público, quanto no privado. O objetivo foi refletir sobre a importância das Políticas Públicas voltadas ao enfrentamento da epidemia da obesidade e seus custos à saúde pública. Conteúdo: o tratamento das doenças relacionadas ao sobrepeso e a obesidade acarretam um número substancial nas despesas, sendo que no Brasil este dispêndio chega a ser de 5% dos gastos destinados a saúde. Para enfrentar a epidemia da obesidade, as políticas públicas devem proporcionar ambientes estimuladores, que apoiem e mantenham padrões saudáveis de alimentação e atividade física, enfatizando que tais atitudes devem ir além de informar e educar a população. Diversas são as ações propostas pelo governo brasileiro para organizar políticas voltadas para a área de nutrição e atividade física que visam à prevenção e o tratamento da obesidade. No entanto, essas intervenções acabam atendendo situações imediatas e específicas, permanecendo o desafio para sejam consolidadas de forma universal. Conclusão: faz-se necessário um olhar mais ampliado na busca de políticas públicas realmente eficazes, pensadas em longo prazo e que possam envolver toda a população. Levar em consideração a conscientização sobre a prática de hábitos saudáveis, uma vez que intervenções pensadas na perspectiva da promoção da saúde terão impacto positivo nos recursos financeiros da saúde pública.



Resumo Inglês:

Background and objectives: Currently, obesity is considered a major public health problem because its prevalence set up at an alarming rate. The costs allocated to spending on obesity are very high and in the long run, can become obstacles to the sustainability of treatment of individuals, whether in the public, as in private. The objective was to reflect on the importance of public policies aimed at combating the epidemic of obesity and its costs to public health. Content: the treatment of diseases related to overweight and obesity entails a substantial number the costs, and in Brazil this expenditure is as high as 5% of expenses related to health. To tackle the obesity epidemic, public policies should provide stimulating environments that support and maintain healthy patterns of diet and physical activity, emphasizing that such attitudes must go beyond informing and educating the population. There are several actions proposed by the Brazilian government to organize policies for the area of nutrition and physical activity aimed at prevention and treatment of obesity. However, these interventions end up taking immediate and specific situations, remaining the challenge to be consolidated universally. Conclusion: it is necessary to look at a broader search for truly effective public policies, designed in the long term and that may involve the entire population. Take into account the awareness of practicing healthy habits, since interventions designed to promote health perspective will have a positive impact on the financial resources of public health.