Produtividade de cultivares de maxixeiro em função de doses de biofertilizante

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Produtividade de cultivares de maxixeiro em função de doses de biofertilizante

Ano: 2015 | Volume: 9 | Número: 3
Autores: L. P. Gomes, F. A. de Oliveira , F. M. S. Bezerra, L. A. Lima , L. P. Costa , R. A. A. Guedes
Autor Correspondente: Francisco de Assis de Oliveira | [email protected]

Palavras-chave: Cucumis anguria L. Fertilizante orgânico. Insumo organic.

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Os frutos de maxixeiro são de grande apreciação na culinária brasileira, principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. No entanto, é considerada uma cultura secundária e seu cultivo é realizado sem adoção de manejo tecnificado. Devido o seu cultivo ser realizado, principalmente, por pequenos produtores, as pesquisas empregando insumos produzidos na própria propriedade, como o biofertilizante, na adubação do maxixe são relevantes. Nesse sentido, objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito de doses de biofertilizante na produtividade de duas cultivares de maxixe. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 4, com quatro repetições. Os fatores consistiram de duas cultivares (Do Norte e Liso Gibão) e quatro doses de biofertilizante (0; 8; 16 e 24 m3 ha-1), aplicadas via fertirrigação. O experimento foi conduzido durante 100 dias, sendo realizadas seis colheitas, nas quais se avaliou as seguintes variáveis: número de frutos, massa de frutos, produção e produtividade. Todas as variáveis foram afetadas pela interação entre os fatores estudados. As cultivares estudadas não diferiram quanto à produção, no entanto, a cv. Do Norte apresentou maior número de frutos, enquanto a cv. Liso Gibão apresentou frutos mais pesados. A partir dos resultados obtidos, recomenda-se a dose de 14 m3 ha-1 para a cultivar Liso Gibão. Para a cultivar Do Norte, recomenda-se mais estudos com doses mais elevadas de biofertilizante.