Variabilidade espacial de atributos químicos em Latossolo cultivado de modo convencional com soja no cerrado piauiense

Revista [email protected] On-line

Endereço:
Centro de Ciências Agrárias, Campus do Caume, Universidade Federal de Roraima, Monte Cristo, Rod BR 174, s/n
/ RR
69000-000
Site: http://www.agroambiente.ufrr.br
Telefone: 95 3627 2573
ISSN: 19828470
Editor Chefe: Sandra Catia Pereira Uchôa
Início Publicação: 30/11/2007
Periodicidade: Quadrimestral
Área de Estudo: Agronomia

Variabilidade espacial de atributos químicos em Latossolo cultivado de modo convencional com soja no cerrado piauiense

Ano: 2015 | Volume: 9 | Número: 1
Autores: S. S. R. Matias, J. C. A. Nóbrega, R. S. A. Nóbrega, F. R. Andrade, A. C. Baptistel
Autor Correspondente: S. S. R. Matias | [email protected]

Palavras-chave: Fertilidade do solo, Geoestatísitica, Manejo específico

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

O conhecimento da distribuição espacial dos atributos do solo permite manejar a área de acordo com as necessidades da cultura, minimizando ao máximo o custo para produtor. Objetivou-se com o presente estudo avaliar a variabilidade espacial de alguns atributos químicos em Latossolo Amarelo distrófico cultivado de modo convencional com soja no cerrado piauiense. O trabalho foi realizado no município de Currais, PI, em área de produção de soja, sob sistema de cultivo convencional, safra 2011/2012. Para a realização do estudo foram retiradas amostras de solo na camada de 0,00-0,20 m, em um grid, com intervalo regular de 200 m entre pontos de amostragem, totalizando 50 pontos, sendo cada ponto representado por oito subamostras. Foram avaliados o pH (H2O), matéria orgânica, fósforo disponível, potássio, cálcio, magnésio, hidrogênio + alumínio. Com os valores obtidos calculou-se a capacidade de trocas de cátions (CTCT) a pH 7,0, soma de bases (SB), saturação por alumínio (m%) e saturação por bases (V%). Os menores coeficientes de variação foram verificados para pH, matéria orgânica e capacidade de troca catiônica, tendo todas as variáveis analisadas apresentado dependência espacial, indicando que o número de amostra (50) foi suficiente para mapear a área em estudo, utilizando-se técnicas de geoestatística. A utilização da geoestatística e a construção dos mapas por meio da krigagem permitem identificar zonas de manejo específico, com maiores e/ou menores valores de determinada variável.