Análise da qualidade de vida em médicos que trabalham em centro cirúrgico na cidade de Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Revista Ciências em Saúde

Endereço:
Rua Miguel Viana - 420 - Morro Chic
Itajubá / MG
37500-080
Site: http://rcs.hcitajuba.org.br
Telefone: (35) 3629-7600
ISSN: 2236-3785
Editor Chefe: Melissa Andreia de Moraes Silva
Início Publicação: 01/01/2011
Periodicidade: Trimestral
Área de Estudo: Ciências da Saúde, Área de Estudo: Educação física, Área de Estudo: Enfermagem, Área de Estudo: Farmácia, Área de Estudo: Fisioterapia e terapia ocupacional, Área de Estudo: Fonoaudiologia, Área de Estudo: Medicina, Área de Estudo: Nutrição, Área de Estudo: Odontologia, Área de Estudo: Saúde coletiva

Análise da qualidade de vida em médicos que trabalham em centro cirúrgico na cidade de Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Ano: 2020 | Volume: 10 | Número: 3
Autores: Sousa JO, Dantas RA, Alencar BMA, Cavalcanti JRLP, Oliveira LC, Freire MAM
Autor Correspondente: Sousa JO | [email protected]

Palavras-chave: qualidade de vida, médicos, medicina, centros cirúrgicos

Resumos Cadastrados

Resumo Português:

Objetivo: avaliar a qualidade de vida (QV) em médicos que atuam em centro cirúrgico da cidade brasileira de Mossoró, RN. Métodos: foi realizado um estudo epidemiológico de corte transversal com aplicação de questionários nos profissionais, no período de novembro de 2018 a junho de 2019 em quatro hospitais. Para a caracterização da população estudada, o questionário foi constituído de dados biodemográficos com informações sobre o participante, o modo de trabalho e o questionário World Health Organization Quality of Life abreviado (escore de 0 a 100). Resultados: participaram do estudo 100 médicos de diversas especialidades. A média de idade foi de 39,6 ± 10,7 anos. Os médicos participantes da pesquisa possuíram uma boa QV para todos os todos domínios (escore geral = 75 ± 14,7). Maior idade, mais tempo de formado e maior  número de filhos para os domínios físico, psicológico e meio ambiente estiveram relacionados a maior QV. Melhores condições de trabalho estiveram associadas a maiores escores dos domínios social e meio ambiente. Maiores quantidade de horas semanais em plantões se correlacionaram a piores índices de QV para os domínios geral, psicológico, social e meio ambiente. A realização de prática de atividade física foi associada a melhores escores dos domínios geral, físico, social e meio ambiente. Conclusão: Apesar de a maioria dos profissionais apresentarem boa QV, algumas condições estiveram associadas à sua diminuição, como idade mais jovem, elevada carga horária de trabalho, piores condições de trabalho e a não realização de atividades físicas.



Resumo Inglês:

Objective: Evaluate the quality of life (QoL) of doctors who work in surgical centers of the Brazilian city of Mossoró, RN. Methods: a cross-sectional epidemiological study was carried out using questionnaires among professionals, from November 2018 to June 2019 in four hospitals. For the characterization of the studied population, the survey consisted of biodemographic data with information about the participant, the characteristics of work, and the abbreviated World Health Organization Quality of Life questionnaire (score from 0 to 100). Results: 100 physicians from different specialties participated in the study. The mean age was 39.6 ± 10.7 years. The participatants had a good QoL for all domains (general score = 75 ± 14.7). Older age, more time since graduation, and more children for the physical, psychological and environment domains were related to higher QoL. Better working conditions were associated with higher scores in the social and environmental domains. A higher number of weekly hours on duty correlated to worse QoL rates for the general, psychological, social and environmental domains. Physical activity was associated with better scores in the general, physical, social and environmental domains. Conclusion: Although most professionals have good QoL, some conditions were associated to lower scores, such as younger age, high workload, worse working conditions, and a lack of physical activity.